quarta-feira, junho 13, 2012

Rosa de Saron


Teus olhos miraram o horizonte em busca de paz
Vasculharam gotas de esperança, de amor
Não porque não as encontra em ti
-As têm em abundância e de forma singular-

Mas porque faz parte da tua grife
Estás na estrada e em busca.
Teu verbo se apaixonou pelo gerúndio
Amando, rindo, chorando, cuidando, lutando

O tempo perdeu a linearidade ao te encontrar
Tens as marcas das batalhas estampadas nas mãos e no rosto
Tens a empolgação da adolescência descobrindo o mundo

A sobriedade da mãe protetora, da fêmea líder do bando
O sorriso da criança sendo apresentada à vida, da mulher habitat da beleza

Oficio de subversão. És a Rosa de Saron
Teimando em ser flor, quando a vida lhe impera deserto

8 comentários:

  1. Eu me vejo aqui, porque estou na estrada em busca, além de que sou mãe e pessoa protetora.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pela raridade!

      Obrigado pela visita!

      Excluir
  2. Oi Will

    Uma mulher encantadora esta. Completa!

    A paixão pelo gerúndio é linda demais, todo o poema é lindíssimo!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela generosidade, Van!

      Fico imensamente feliz quando encontro reticências por aqui

      Beijo!

      Excluir
  3. ISTO é ser flor!
    como aquela, da náusea, de Drummond...

    tão bonito.
    tão bonito tudo!
    não sei dizer mais: ando muito [in]contida.

    um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tão generosa!

      Muitíssimo obrigado pelo seu olhar atento e por sempre acrescentar tanto.

      Sigamos de branco pela rua cinzenta!
      Beijo!

      Excluir
  4. Olá, Will!
    Ela é generosa, sabe se doar à vida! Não tem medo, nem vergonha de viver. Por isso é flor, mesmo no deserto.
    Um beijo!

    ResponderExcluir

Obrigado pela caminhada