sexta-feira, maio 03, 2013

Capitu




Quem é ela?

Via o seu sorriso sem saber
Se era meu. Se existia
Seria a mim que ele queria?

Quem é ela?

Quando a noite chega seus medos somem
Já era mais mulher do que eu homem
Tão segura. Tão distante.

Quem é ela?

Sempre tão certa do que fazer
Como copiar seu ar blasé
Se aos quinze anos, tudo é infinito?

Quem é ela?

Na inocência de menino
Reconheci sem perceber
Seu Dom de receber
Em suas mãos o meu destino

Quem é ela?

Espiei pela janela
Vi o que a faz amada:
Uma alma tão humana
Olhos lindos de cigana
Oblíqua e dissimulada.
És tu, Capitu!


15 comentários:

  1. Acho que me apaixonei por ela de novo!

    ResponderExcluir
  2. Nossa!
    De quem é esse?
    Adoreiiii!!!!

    Parece que seria algo que o Bentinho diria!

    ResponderExcluir
  3. Acho que todo homem (menino) tem um pouco de Bentinho. E a gente sempre encontra uma Capitu nessa vida... o segredo tá na janela da alma. O segredo tá nos olhos!
    Você desvendou bem, camarada!

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Agradeço a generosidade de sempre, Jadí!

      Excluir
  5. São tantas Capitus, em tantos sentidos, em tantos lugares.
    Tantas, até em mim, por que não?

    ResponderExcluir
  6. Todo homem deseja e teme uma Capitu. Segredo inconfessável, esfinge inatingível, memória irreprimível. Que seu encontro com ela tenha sido só poesia.

    Abraço, Will.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O poeta é um fingidor, caro Fabrício

      Mas como vc mesmo disse, que homem nunca teve desejo e medo de conhecer uma Capitu?! É um personagem que sempre me provocou interesse.

      Abraço! Agradeço a visita!

      Excluir
  7. Então, Will, agora entendi porque fez um otimo comentario!
    Escreve com sensibilidade e originalidade.
    Existem na multidão faces como de Capitu. Observa-se um pouco de inocencia e tambem de sensualidade, um ar de misterio, aquele que faz imaginar cenas.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade.
      E elas se sobressaem na multidão, não é!?
      Querê-las ou evitá-las?

      Excluir
  8. As reticências da obliquidade e dissimulação da personagem-metonímia foram muito bem exploradas nos teus singelos versos, Will! Acho q é o essencial.

    Já ouviste a canção Capitu, na voz de Zélia?! Bom diálogo. :)

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ouvi sim, Rafaela!
      Ouvi no dia em que escrevi esse poema, acredita??
      Gostei também.

      Agradeço a visita!

      Excluir

Obrigado pela caminhada